um texto bocó num dia cinzento

Eu recarrego no sol.

Não é uma coisa namastê-gratidão-plena não, eu nem sou uma pessoa totalmente “da praia” – apesar de amar praia e precisar do mar, são muitas as variáveis que me fazem efetivamente ir à praia. Mas a sensação que me dá é exatamente essa: que eu recarrego no sol. Que cada raiozinho entra dentro de mim me dando um super boost de energia e felicidade. Felicidade, sim.

Eu fico feliz no sol. Feliz de verdade, ainda que tudo esteja triste e meio ruim. Dias nublados me deixam honestamente deprê e eu fico me perguntando como faria se tivesse que ir morar num desses lugares maravilhosos, com divisão de renda justa, com índices de felicidade incríveis e sem sol. Nublados. Que escurem às 16h. É um problema real oficial pra mim.

O sol me dá vontade de me esticar e tomar sol. Sol me dá vontade de me arrumar e de sair. Sol me dá vontade de dançar na rua feito um musical bocó.

Eu gosto mesmo do sol, mesmo em dias frios ou dias bundas ou esses dias que parece que estão ali sem motivo, ninguém sabe porque. Se tem sol, neles, tá bom. Pelo menos tá sol.

Eu gosto bastante do sol e isso nem significa necessariamente que eu goste do calor (embora eu gostei bastante do calor também). Mas eu gosto de dias iluminados e de folhas verdes e de céu azul. E do sol. Que me recarrega e me deixa com vontade de dançar.

20170207_134211-ANIMATION

Agora eu tenho um coleguinha que gosta tanto do sol quanto eu, no trabalho. Esse coala surfista. Ele tá em cima da sua prancha de sunguinha e felicidade, sabe. Se está sol, cara, ele dança. Pra frente e pra trás, pegando várias ondas. Se tá meia boca, ele só rebola um tiquinho. Len. Ta. Men. Te. E se fecha tudo e fica cinza-São-Paulo, menina, dá até pra ouvir seu grito de desespero, seu pedido de ajuda. Ele precisa de sol, e eu também.