coisas da vida

o que eu aprendi sobre ser famosa na internet por um dia e meio

Eu não sou famosa na internet. Sim, eu tenho bastante seguidores – especialmente no instagram, e ainda bem que lá – e sou relativamente conhecidinha no meio bloguerístico, mas é mais por estar aqui desde que tudo era realmente mato do que por qualquer outra coisa. Eu não sou famosa-famosa, as pessoas não me conhecem, nada do que eu faço tem grande repercussão. E eu ouso dizer que só considero esse lugar tão acolhedor e bacana, tão casa, tão o lugar onde moram várias amigas, o local em que eu consigo me expressar tão bem, é porque construí, meio sem querer, meio querendo bastante, uma rede segura, de afeto, de carinho, que se ajuda e se motiva, e se gosta minimamente (e, em alguns casos, maximamente mesmo risos).

Daí esses dias um site de decoração veio aqui em casa. Não vou linkar tudo nesse post de desabafo pois não acho justo que as pessoas do site – meninas incríveis e queridas, que se interessaram pelo meu lar, foram super simpáticas e honestas, e fizeram boa parte da minha semana bem feliz e cheia de coisa boa – saibam desses problemas e de como eles me afetaram (mas depois, certamente, coloco o link aqui!). E no meio de um monte de coisas que me deixaram com o coração quentinho pois, além de ser uma coisa que eu sempre quis muito, recebi muito carinho e elogios, vieram também os haters.

Sim, haters. Num site de decoração. É real.

Quando fizemos as fotos, algumas amigas disseram, sempre em tom de piada: ahhh quero ver esse quadro do Che aí o que vai dar! Nós rimos, continuamos a beber nossas respectivas taças de vinho e seguimos o baile como deveríamos, afinal RISOS, não é mesmo. Era uma piada. Isso nunca seria um problema. Mas foi, gente.

Sim, um quadro do Che.

Eu já me questionei muito sobre esse quadro do Che. Primeiro porque não sei até que ponto ele mesmo, Ernestinho, ficaria feliz de ver a sua bela cara estampada em pôsteres e quadros e objetos de decoração. Segundo porque, e mais recentemente, me questiono sobre todo e qualquer ídolo ou ícone homem, seja ele um líder político ou um cantor. Terceiro porque as cores desse pôster são bem fortes e poderiam influenciar diretamente na decoração, risos.

Breve interlúdio: esse quadro do Che não é um quadro ou uma peça de decoração. Ele é um pôster de um filme produzido por alunos cubanos, feito à mão por um senhorzinho que fazia serigrafia numa praça em Havana. Quando soube que a gente era brasileiro, o senhorzinho fez um descontão e enfiou mais uns pôsteres no canudo que a gente levou pra casa. Isso não importa nada pra esse texto, mas essa história é bem legal.

Mas eu nunca tinha me questionado sobre não achar legal ou ideal ou seguro expressar meus princípios ideológicos e políticos, ainda que de maneira metafórica ou subjetiva, na minha própria casa.

Só que isso aconteceu. Dentre os milhares (<3) de likes e comentários de amor, de inspiração, de perguntas engraçadas do tipo como eles fazem pra ter 3 gatos e tudo isso de plantas (é possível, gente, tá turobem), o site recebeu vários comentários de ódio porque nós temos um quadro do Che Guevara na nossa sala de estar. Quer dizer que é bonito ser comunista? O quadro estragou tudo! Agora só faltam emoldurar Hitler e Mussolini! Carniceiro do ditador! Vocês deveriam ter vergonha de postar isso!

Esses foram só alguns, e eu faço questão de não voltar lá pra ver mais coisa.

Um quadro. Na minha casa. Na minha sala. Que eu comprei. Num site de decoração. Vocês entendem meu ponto? Eu não escrevo uma coluna política em que falo abertamente sobre como eu acho que só o comunismo vai salvar o planeta, eu não tentei convencer a ninguém da minha opinião política, eu não abri para discussão sobre como eu cheguei a esse princípio de vida, ninguém sabia a história do senhorzinho serigrafista (feiro? fáro?), nada. Um site de decoração. E comentários de ódio.

Fiquei pensando durante muito tempo (mesmo) (tocosono) que, caso ocorresse o mesmo “comigo” (COMIGO, né gente, essa ofensa pessoalíssima de entrar num site de decoração e encontrar ali algo de que não gostasse): eu iria xingar? Abro o site que gosto e encontro uma foto, sei lá, do Trump, pra ser assim bem óbvia. Vou falar NOSSA QUE HORROR QUE MAL GOSTO TIRA ISSO CARNICEIRO. Cara, eu não ia. Certamente eu iria zoar com alguém, certamente eu ficaria triste pelo fim da humanidade, certamente eu iria questionar os padrões estéticos daquela pessoa. Em silêncio. Porque é um site de decoração. Porque aqueles profissionais que fizeram aquela matéria têm o direito de postar o que eles quiserem, afinal, é a casa das pessoas, e não as deles. Porque a gente é livre pra escolher o que pendura em cima do nosso sofá.

É mesmo?

Ao mesmo tempo, fiquei horas pensando também se, caso acontecesse o mesmo e eu visse um quadro que incitasse à violência ou que ofendesse os direitos humanos, não é minha obrigação falar, criticar, comentar até sair do ar? É realmente uma reflexão, eu não sei a resposta. Uma casa com uma decoração linda e um quadro white power merece ser divulgada? Eu estou comparando alhos com bugalhos? Eu realmente não sei. Mas eu tenho bastante medo.

(Certamente o Google vai me banir pra sempre de toda a internet depois desse post cheeeeeio de palavra chave MASSA).

Eu aprendi um monte de coisa com esse episódio – na verdade, todas coisas que eu já sabia, mas que realmente não achei que pudessem ser tão reais e palpáveis e cheias de ódio e, bom, reais de novo. Eu lembrei que as pessoas são babacas e repetem as frases prontas (e ruins) como se fossem pré-programadas. Eu realmente entendi que atrás de um computador, sem cara a cara, sem olho no olho, a gente fala mesmo as coisas bizarras que estão guardadas dentro da gente, sem medo de machucar. Eu entendi finalmente que 99,9% das pessoas não param pra pensar no outro nem por 2 segundos. Eu realmente compreendi, agora, e morrendo de medo, que as pessoas são copos cheinhos de raiva, prontos pra transbordar da maneira mais rasa (risos) e imediata que der.

Dos mais de 8 mil likes em uma foto, eu fiquei com ou 5 ou 6 comentários de ódio pra mim.

Isso porque estamos falando de um site de decoração.

No Sesc 24 de Maio, meu novo lugar favorito nessa cidade maluca, tem uma instalação chamada Odiolândia, de Giselle Beiguelman, que nada mais é do que um caixotão escuro em que são projetados comentários postados na internet sobre as ações na Cracolândia. Só isso: uma sala escura, uma tela preta, os comentários em texto passando rápido na nossa frente, um som meio confuso no fundo. A gente fica ou sai da sala? Quem fica, fica com raiva, quer matar que fala? Quem fica fala aquelas coisas e não vê nada demais? Quem sai, sai com vergonha do que falou? Ou porque não aguentou o tranco de saber que existe tanto ódio assim?

Eu não falo publicamente sobre política, eu não uso crack, eu não sou a Dilma o Lula nãoseimaisquem, eu não causo na vida de ninguém, eu aqui só queria mesmo era decorar um pedaço da minha sala com a lembrança de uma viagem maravilhosa e a inocência de princípios que me ensinaram e me motivam e, quem sabe, me carregam e possam um dia virar realidade. Mas eu aprendi mesmo que o que move a gente é a raiva e ódio cada vez mais à mostra e, olha, eu estou exausta. E brava. Mas mais exausta.

Mas o quadro vai continuar lá.

34 Comments

  • Mônica

    Não fica triste. A internet traz dessas coisas, mas a gente precisa passar a peneira e abstrair. A maior parte dos comentários de ódio parte de uma galera que não sabe nada da vida e que quer aparecer na web posando de entendido e dono da verdade. Abstrai e segue em frente guria! 🙂

    • Isadora

      foi difícil abstrair – tanto que só voltei hoje pra esse post, heheh! – mas a gente tem mesmo que filtrar e absorver só as coisas boas, né? obrigada pela força, querida <3

  • BA MORETTI

    o famoso disappointed but not surprised 🙁

    nessas horas acho que o melhor que a gente pode fazer é se agarrar nas coisas boas sabe? por mais que as ruins fiquem berrando por atenção. heeeey its me. e por aí vai.

    tipo, oi?, como assim?, olha essa casa geeeeente, olha que coisa mais linda! cafofo que dá vontade de abraçar, que dá vontade de deitar no chão curtindo solzinho de inverno e ser surpreendia por gatinhos amassando pão. olha esse espaço, olha esse casal, olha esse blog. é tudo lindo demais. joga os comentários ruins fora, joga.

  • Carol

    Oi Isadora, eu te acompanho aqui tem muito tempo. Já tive blog na época do mato, mas desisti justamente por causa de gente que adora criticar, mas enfim, hoje tive vontade de comentar aqui, justamente por ter visto sua casinha linda lá no site de decoração mais cedo e achado tudo tão fofo e especial que nunca imaginei que isto pudesse ter acontecido. A internet está ficando cada dia mais difícil… Fique bem. Sua casa é linda!

  • Mariana

    A internet é uma bosta e facilita o contato entre gente cheia de ódio no coração. Não vou dizer pra simplesmente ignorar porque é difícil ignorar as coisas ruins que te dizem. Elas doem muito mais do que deveriam. Mas esse sentimento passa, no fundo esses comentários cheios de ódio e sem rosto não deveriam importar mesmo. Enquanto isso, eu sugiro vídeos de gatinhos. <3

  • Natália

    Isa, sinto muito você ter passado por isso. Os seus questionamentos são válidos, mas acho comentários de ódio não! Não leve para você esses comentários, é difícil, eu sei, mas é um exercício que a nós, internautas, temos que fazer não é mesmo? Sua casa é tão linda e aconchegante e que, com certeza, vai inspirar muitas pessoas a ter um lar cheio de plantinhas, gatinhos e autenticidade assim! Que traz garimpos das viagens para emoldurar e deixar a casa com mais vida e personalidade. O pôster do Che é lindo d+ e a história de como foi adquirida, então, putz uma lindeza!!!!!!!! Ainda bem que você trouxe!!! <3

    Fica bem!

  • maki

    Isa, é muito foda quando a gente percebe o quanto as pessoas sentem raiva e só querem descontar o que sente em algum lugar por algum motivo que às vezes nem elas entendem direito, né? eu percebi isso quando o meu texto de 13 reasons why viralizou e eu vi os comentários mais absurdos sobre como eu deveria morrer se não tinha entendi o objetivo da série (alô, contradição). sendo que eu sei exatamente o que é me ver no lugar da Hannah. enfim. eu sei que, apesar dos pesarem, dese tanto de raiva, a gente precisa ensinar o amor. porque só assim a gente sai dessa, sabe? e é o que eu tô aprendendo fazer mesmo e colocando na prática na minha vida. as pessoas são muito perdidas, muito raivosas e não sabem sair disso sozinhas. então a gente ensina como pode e ajuda a mudar o mundo aos pouquinhos ♥

    • Isadora

      é muito louco, né, makinha? meu deus do céu, como as pessoas estão TOMADAS de ódio. eu tenho pensado muito nisso e em como me relaciono com as pessoas da minha vida – nem as tão próximas, pq essas eu sei que encho de amor, mas por exemplo, o moço da padaria, sabe assim? – e fica retumbando aqui dentro aquela frase dos moços beatles: in the end the love you make is equal to the love you take. bota mentalizar e seguir em frente – sabendo que existem pessoas lindas e cheias, cheias de luz, no nosso caminho TIPO A SENHORA ♥

  • Camis

    Isa, dá aqui um abraço! Tua casa é linda, as pessoas tem muito ódio no coração e resolvem disparar merda na internet gratuitamente pra quem não conhecem, mas não deixa isso te abalar não. Pensa no quanto de gente que te admira e gosta de ti de verdade tu conheceu através dessa mesma internet. Fica bem <3

    • Isadora

      difícil, né, amiga? beeeeeem difícil mesmo! mas a gente vai seguindo, rodeada por pessoas do bem que a gente encontra no caminho ♥ obrigada por estar sempre por aqui!

  • Mafê

    GATA, que situação. Eu já tive mania de me importar com os haters e descoupados, mas minha terapeuta me pediu para olhar para o lado positivo de todo o negócio. Foca nos oito mil lindos likes que tu recebeu, ao invés de gastar tua energia com meia dúzia de gente que fala o que quer, sem se importar em magoar ou não. Deixa teu quadro lindamente como deve, ignora esses comentários e segue o baile, sambando e fazendo tua parte – que tanta gente curte e gosta. 😉

    • Isadora

      lindona ♥
      esse exercício – de não focar no positivo – tem que ser constante, e às vezes dá um trabalhão danado, né? mas é isso aí, se cercar de pessoas do bem e seguir em frente, pq segue o baile, tem muita coisa boa no mundo pra gente se importar com esse tipo de coisa!

  • Nicolle Por Deus

    Eu sei que é difícil não dar atenção a esse tipo de manifestação. Eu sei que chateia. E sei que existem pessoas muito escrotas nesse mundo. Estamos em um ponto em que destilar ódio não tem mais hora ou lugar; pode acontecer em qualquer canto, inclusive em um site de decoração. É absurdo e desanimador, concordo, mas tenta focar nas partes boas. Nos mais de 8 mil likes. Na viagem que trouxe ele pra você. Nos comentários elogiando sua casinha (tenho certeza que eles foram feitos). E fiquei com vontade de ver seu cantinho <3

  • Analu

    AMIGA, as pessoas são LOUCAS. Abri o twitter no final da festa do casamento de Dede, porque estávamos fazendo muita folia e decidimos mudar todos os nossos nomes para o nome da cantora da festa dela. E aí, quando entrei, nessa energia deliciosa, me deparei na hora com seu tweet falando algo sobre ser odiada na internet por causa das fotos da sua casa, e aí eu comentei com as meninas e nossos boys e ficamos chocados. Agora que vim ler o post e saber da história toda só fiquei mais atarantada ainda. As pessoas são 200% doidas. Não precisamos ler os comentários. Só guardemos o que for de amor. <3
    sua casa é linda!

  • Katarina Holanda

    Ai, Isa. Sinto muito por você ter passado por isso, comentários assim tomam uma dimensão absurda dentro da gente. Eu realmente não entendo como alguém tem a capacidade de jogar ódio por aí dessa forma, embora a maioria só tenha coragem de falar olhando pra uma telinha e não nos olhos (se bem que com os últimos eventos, isso também vai piorando e nem sei onde pode chegar). É triste e preocupante, mas tenta focar em tanto amor que você recebeu. É a sua casa, são as suas lembranças! Isso que importa.

    • Isadora

      é muito louco, né, miga, parece que ninguém para pra pensar que existe uma PESSOA do outro lado, é muito maluco esse mundo que a gente tá!

      obrigada pelo comentário e pela força, lindona ♥

  • Natalia

    Acho que faz sentido o que você falou de se fosse com você talvez ia incomodar tb. Por exemplo, se fosse do bolsonaro, ou hitler ou sei lá. Fico pensando nisso para a vida no geral sobre quem eu gosto/não gosto e se posso reclamar ou não. (acho que não fiz nenhum sentido). Mas acho que de qualquer maneira é uma falta de respeito enorme te atacarem pessoalmente por isso. Talvez se não tivessem gostado dava para ter dito que não concordam/não ornou/etc. Mas na internet aparentemente as pessoas preferem falar tudo de maneira grosseira. Bem triste mesmo. Sinto muito que aconteceu isso com você <3

    • Isadora

      é duro, né, não atacar pessoalmente na internet quando é tudo tão extremamente pessoal – e ao mesmo tempo, ninguém tem rosto, ninguém tem cara, então ninguém se preocupa em não ofender, né?

      obrigada pelo comentário ♥

  • Carol Vieira

    Direto vejo esse quadro nas suas fotos e penso “aff, esse quadro!” Nunca comentei, o quadro é seu, tô aqui pq eu quero, pq gosto do seu blog e de você, mesmo não gostando do SEU quadro. Hoje esse mesmo quadro gerou um post e só por isso eu tô escrevendo isso (se eu não apagar e desistir de comentar, tá bom). A liberdade de expressão tá aí pra isso, ela existe, graçasadeus. Ninguém é igual, não, ainda bem que não, nunca vai ser. Sempre vai ter a esquerda a direita e o pessoal que fica no centro bem de boas. A questão é que tá chato, tá bem chato, amizades se desfazem por uma questão politica, um não concorda com o outro e vai cada um seguir seu “lado”. É toda hora “ai, pq ele é homem” “ai pq mulher…” “eu sou feminista” “eu sou melhor por tal coisa” “lixo humano” “fora temer”. Tá bom, só queria deixar bem claro que o ser humano independente do genero, partido, raça ou qualquer outro caralho, o ser humano tem a predisposição de ser um LIXO, essa predisposição é maior do que a de ser alguma coisa boa, infelizmente. Tá chato, repito. Não aguento mais essas tretinhas, acho que o mundo já tá bem bosta pra gente piorar com pouca coisa. Deixa o quadro aí, se ele te faz feliz deixa aí. Só não deixa isso te afetar (mais). Não deixa ele fazer você odiar quem pensa diferente de você, essas pessoas que não conseguem respeitar a opinião do outro não merecem nem ódio. E elas existem e estão em todas as tribos, partidos, ou seja lá o que for. Não entra nessa vibe bosta, abstrai e finge demencia, esse tipo de coisa não vale a nossa energia.

  • KARINE

    olha miga, não vou comentar sobre os comentários de ódio, porque eu concordo com tudo que escreveu nesse post e pra mim, aquelas pessoas que comentaram coisas absurdas estão no mesmo nível de comentaristas de portais de noticia. só tenho que dizer que: quando vi a matéria, saí mostrando pra todo mundo que tava perto de mim OLHA AQUI ESSE AP MARAVILHOSO CHEIO DE PLANTAS E GATOS É DA ISA EU CONHEÇO ELA, AMOR QUERO UMA CASA IGUAL ESSA. VAMOS? ♥

  • KARINE

    obs: tirando o meu claro descontrole no comentário anterior, espero que ce já esteja bem. você é maravilhosa demais pra ficar triste por causa de babacas. e como faz pra ter tantas plantas e gatos no mesmo ambiente? tb quero saber RISOS

  • Kaka F.

    Isa, enqt eu lia teu post, tava escutando the world we live in do the killers e fiquei toda reflexiva. no teu lugar, me importaria com os haters, ficaria com raiva da raiva, com certeza me sentiria assim. teu sentimento é compreensível demais. e realmente essas coisas assutam. mas o quadro vai continuar lá, assim como tua ideologia, teus princípios, e tudo o que tu acredita, justamente por saber todo o amor que tem no coração de todos os outros 8 mil likes, e todo o potencial que tem o mundo que vivemos. de ser melhor. sinta-se abraçada, teu quadro é lindo, a história por trás dele idem, e a pessoa estampada nele idem idem.
    ps: qd compro coisas dele, tbm penso em como ele se sentiria no significado por trás do consumo, dele estampando objetos de desejo e essas coisas.

    • Isadora

      é tão difícil, né, Ka? a gente fica tomada pelo ódio que jogam na gente, é um exercício muito exigente nos livrarmos disso numa boa. mas é também um exercício que a gente teeeeeeem que sempre tomar cuidado de fazer, pq o mundo é muito doido e ruim, e a gente tem que passar por ele. obrigada pelo comentário, viu? ♥

  • Sâmia

    Oi, Isa, tudo bem? Te acompanho na internet há uns anos e, quando descobri que você tava nesse rolê de reformar e decorar sua casa por conta própria, fiquei deslumbradíssima. Agora fico de cara com essa gente escrota fazendo comentários horríveis por causa de um quadro. Sua casa é linda e super inspiradora, reflete quem você e seu marido são e, bom, azar de quem não consegue se encantar por isso. Manda essa galera à merda e segue o baile.

  • manie

    GENTE, TURU BOMMMMMMMM?????
    cara, tem haters em todo lugar meixmo hein. há uns 2 anos eu tava cansada de tretas no facebook e então resolvi clicar num vídeo de uma mamãe coala com o filhote. E. Tinha. Haters. Nos. Comentários.
    qq essa galera tem na cabeça, velho? elas tem cabeça? mano, q gnt otáriaaaaaa

    as fotos do teu ap ficaram lindas, cara… inclusive, te acompanho no insta e me inspiro demais!

    boa metadinha de semana ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *