o que eu aprendi com o BEDA

Eu ouvi 31 + 1?

Eu tô triste e não vou abandonar o BEDA.

Tá, é mentira, é claro que eu vou abandonar essa loucura de dizer que não te quero de postar todo dia. Porque é inviável. Mas eu não queria. Se hoje alguém me perguntar mas então você está dizendo que quer virar blogueirinha mesmo real oficial, Isa? a resposta seria sim com certeza vamo.

Pena que não dá.

Mas como eu ainda tô nessa delícia de chegar toda noite em casa, exausta, e pensar com carinho no post que sairá amanhã, pois tem que sair, resolvi escrever sobre as coisas que aprendi com essa mês insano e do amor. São elas:

// Se organizar direitinho, todo mundo bloga: organização é, sim, a chave do negócio. Nem preciso falar que esse é o mote da minha vida – inclusive, rolou toda uma criação de categoria específica pra isso durante o famigerado BEDA – e eu até já havia tentado fazer algo parecido com uma planilha com o blog, mas nunca levei a sério. Com o BEDA, levei muito a sério. A seriíssimo. A sério a ponto de dar neuvoseur. Pensar numa ordem para os posts, em categorias organizadas por dia da semana, em temas correspondentes e afins me acalmou, me deu ideias, me fez engatar num ritmo bom. Eu só queria ter algo mais automatizado que uma planilha pra me ajudar nos próximos meses. Vocês têm alguma indicação?

// Aposte nas ideias ruins também: aquela coisa de “feito é melhor que perfeito” vale para escrever também – mas, pelo amor da deusa, revisem os textos de vocês, tá? Mas às vezes a gente fica matutando aquela ideia por um tempão pensando “gente, mas isso é muito idiota, ninguém vai querer saber disso”, daí você insiste, escreve, faz ali uma coisa bonitinha e minimamente informativa e, como feedback, não é que uma galerinha leu e curtiu? Vale a pena investir, sim. Nem tudo precisa ser mirabolante e life changing.

// A gente pode roubar em alguns posts, mas a gente também tem que escrever o que sai lá de dentro: as tags estão aí para serem usadas, os temas polêmicos estão aí para causar, mas o que mora lá no coração e sai cuspido, assim, de bate pronto, é o que é mais gostoso de escrever. Mesmo que ninguém comente. O que me leva a…

// A gente tem que se motivar: comentando, comentando, comentando, comentando, comentando. Nos blogs amigos, nos blogs que visitam a gente, procurando blogs por aí, se apoiando. Já é difícil o suficiente sozinha, né, gente?

// A blogosfera vive: e está cada dia mais maravilhosa. Olha quanta gente incrível! Alguns blogs são antigos (o/), outros são novos, alguns a gente já conhecia e tinha esquecido, outros são felizes achados. Tem muita gente no Youtube e sei lá mais em que rede nova e descolada? Tem. Mas estamos por aqui. Firmes e fortes, ingoal esse país maravilhoso RISOS.

Eu vou sentir saudades.

Mas me disseram que Abril começa com A também…

E sobre o último ponto que eu aprendi no BEDA e uma das lições mais importantes que eu tive no último ano, na vida, é que a gente não pode ter vergonha da gente. Tá, pelo menos não das coisas boas, a gente pode ter vergonha de gente cutucar o nariz ou ter votado no Aécio, isso a gente deve. Se nos dedicamos a algo, se colocamos nossa intenção em uma coisa, se nos esforçamos pra conquistar alguma coisa, a gente tem mesmo é que erguer o queixo e falar: sim, eu fiz isso, sim. Eu sou fodona, sim. Eu escrevo, sim. Eu faço coisas maravilhosas, sim. Minha casa é linda, sim, eu escrevo bem, sim, eu tenho um blog, sim, meus gatos são maravilhosos e isso nem é mérito meu, sim. Porque a vida é muita curta pra gente bancar a humildona e se esconder atrás dessa aura de submissão que acham que devemos ter. A gente tem mais é que gritar: olha quanta coisa linda que eu faço, vem ver! Eu te ajudo a fazer também. Vamo <3

As coisas mais legais que eu fiz por aqui nesse mês que passou:

// Eu escrevo: uma reflexão sobre essa coisinha linda que a gente faz que é botar pra fora;

// A decoração da nossa sala: um postzinho só sobre decoração, porque eu também não me aguento;

// Corpo são, mente descaralhada: não conhecemos endorfina, nunca vi, nem comi, eu só ouço falar;

// As 3 situações mais malucas que eu já vivi: morri de rir que vocês deram risada, mas na real eu chorei;

// Meu aspirador de pó de pé: leiam antes de fazer a próxima faxina.

E, por último, queria aproveitar esse momento de carinho e nostalgia pra perguntar pra vocês do fundo do meu coração: o que vocês querem ler por aqui? Sério, você que lê, mas não comenta; você que passa esporadicamente; você que vem todo dia; você, que acabou de conhecer, respondam pra mim nos comentários:

Sobre o que você quer que eu escreva?

Agradeço imensamente desde já. Eta que vai ser difícil desapegar <3