viaja isa

Montevidéu & livros & cafés & um casaco amarelo

A orla do rio que mais parece o mar – e talvez por isso seja mais calmo, exceto no dia da tempestade que nos levou embora pensando em voltar. O frio de congelar os ossos, o frio que não incomodava tanto assim. As cores pastéis como num filme cuidadosamente escolhido. As crianças brincando perigosamente na beirada do muro, felizes. Os cachorros pegando as coisas que não deveriam. O tanto que a gente andou sem ninguém por perto só pra chegar perto do farol cinematográfico, achando que estávamos fazendo algo de errado, mas ninguém disse nada. E a gente continuou, então. Os 16 gatos marujos que apareceram e nos deram a permissão de seguir.

Era tudo assim, meio “vai indo, não tem problema, pase pase, que te pase bien“. Nenhuma regra muito definida e também nenhuma pedantismo do pequeno poder. “Hoje a gente fechou porque choveu e as pedras escorregam”. De resto, vai lá ver, vai conhecer, abre as portas, pegue os livros, entre nos caminitos, coloque as mãos. Toma um café e mais outro e mais outro, e um mais bonito que o outro, e aquele mais silencioso que o primeiro. E, de repente, todo mundo junto se encontrava num lugar bem cheio e as vozes se misturavam e logo se abaixavam, e voltava tudo para aquela silenciosa sensação de calma.

Café Brasileiro; Ciudad Vieja; Plaza Independencia; Teatro Solís; Rambla Sur; Plaza Matriz; Peatonal Sarandí; Plaza Zabala; Libreria Linardi y Risso; almoço no Jacinto; Museo del Cannabis; La Farmacia Café; Feria de Tristan Narvaja; Libreria Babilonia; Mercado Ferrando; Parque Rodó; mais rambla; Oro del Rhin; Escaramuza; Pocitos; Punta Carretas; o farol; mais ramblas. Perdendo os dias que pareciam todos iguais e infinitos.

Calma e comida & aprender a ver o tempo passar com calma. Obrigada, Uruguai ❤

 

*****
Decidi fazer posts mais “sensoriais”, mais subjetivos, mais hippie tilelê diario de viagem, eu diria, já que lá no instagram, onde tenho aparecido bastante, postei mais o dia a dia, lugar a lugar – a maioria dos pontos turísticos, restaurantes, bares e museus -, da viagem. Se quiser alguma dica específica, algum lugar, alguma informação: pergunta, que eu respondo! Organizei meu roteiro para Montevidéu com as dicas incríveis do blog Viver  Uruguay – recomendo a visita!

4 Comments

  • Yasnaya

    Que bonito! Adorei a forma como descreveu.
    Só pelas fotos eu me senti melhor, afff nunca tinha pensado na vida em visitar o Uruguai.
    Agora mudei de ideia total!
    Tirando esse frio que deus me dibre!! O de SP já me fez endoidar imagina um trem desse aí namm
    Mas quem me dera rsrs

    Uma vez me perguntaram por que eu viajo tanto – nem é tanto assim – se na volta eu não trago nada!
    Nem respondi porque MEU DEUS! JURA?
    As pessoas não sabem a transformação espiritual que acontece quando você vai para lugares totalmente fora do seu padrão de vida, de cotidiano e etc. nem preciso te dizer, eu tenho certeza do que você sabe como é o sentimento. Eu hein povo chato.

    xeroooooooo
    amo suas fotos
    te acompanho mais no insta, mas tinha esquecido desse seu cantinho ♥

    • Isadora

      aaaaah que amor de comentário, muito obrigada! <3

      a gente não precisa trazer nada físico de viagem, né? já basta essas memórias que ficam 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *