eu não sei usar o whatsapp

Eu não sei usar o whatsapp.

Em primeiro lugar, eu não entendo o whastapp. Veja bem: eu não sou uma dessas pessoas blasé que reclama da tecnologia, dos smartphones, da vida, do café gourmet. Eu amo imensamente todas as facilidades, eu abro o Instagram como primeira coisa do meu dia, eu sofro a cada mensagem do Facebook que o 3G da Vivo não me deixa ler imediatamente. Mas eu não entendo o whatsapp.

Não consigo imaginar uma coisa mais opressora do que um aplicativo que me deixa conectada a todo mundo o tempo todo. NÃO DÁ. Tipo, tô cagando, gente. Não, não assim, no sentido figurado: eu tô literalmente cagando, e vocês estão lá, me contando sobre a vida, sobre o jantar, sobre o moço que não liga de volta. Eu tô dormindo: vocês estão me falando sobre o que viram na rua. Eu tô comendo: vocês estão me contando sobre o que estão comendo.

Não que eu não queira saber tudo isso. É claro que quero, amigos queridos. Mas me mandem um email. É tão mais elegante. Tão mais “chegado”. Tão mais íntimo. Tem tantas possibilidades mais que eu resposta, nossa, vocês nem imaginam. [Parênteses, ou chaves: aqui entra também o meu plano requentado da Vivo, que não entrega as mensagens quando ele não quer.] Se for urgente, então, por favor: me liga, minha nossa senhora. Nem que seja pra falar que o boyzinho não te liga. Serião. Vai ser mais legal.

“Ah, Isa, mas você tá no trabalho, eu preciso te contar…”. Nega, eu tô sempre no trabalho. E eu tô sempre conectada. O que significa que a chance de eu ler seu email, sua mensagem no Facebook (hello xoxo media!), sua DM no Twitter são infinitamente maiores do que eu alcançar meu celular – provavelmente sem bateria, aliás -, conectar no wifi da firma (hello plano requentado da Vivo), esperar o app abrir (oi, iPhone 4 desatualizado) e te responder no tempo em que uma mensagem de whatsapp demandaria.

Dai a gente entra no: eu não sei usar o whatsapp. Porque, por mais que eu demore, eu respondo ao Facebook, aos emails, às DMs, ao resto da vida inteira, e é te ligo de voltar, se você der sorte. Mas daí eu faço todo o procedimento citado acima e, quando o troço conecta, IH GENTE, deu xabu no trabalho. E eu esqueço o celular. E daí o que acontece? Ninguém me lembra que aquela mensagem um dia na história desse país existiu. E aí vocês dizem que eu sou relapsa.

E pra terminar uma conversa então, meu povo? Emoticons são infinitos. Você manda um delicado “oi, fulana, hoje vou chegar atrasada porque meu gato entrou embaixo da cama e não quis mais sair de lá”, e a pessoa te responde “claro, fica tranquila!”. Você responde :). A pessoa responde :). Daí você manda um 😉 pra não parecer muito escrota. Ela te manda um gatinho com corações nos olhos. Você manda sorriso. Ela piscadinha. Ela te manda um avião. Você uma boia de piscina. INFINITAMENTE. Até o sol raiar e eu parar de achar que estou sendo mal educada com as pessoas.

Sabe, eu sou legal, gente. Eu sou educada. Eu gosto de conversar. Mas eu não sei usar o whatsapp. Sejam elegantes e me escrevam emails. Com assinatura, sabe?

Beijos com saudades,

Isadora. 

Assim.