diarin #9 – alor alor grassazadeus

Olar minha gente.

Cês tão bonzinho?

Eu já nem sei o que mais falar sobre o fato de que estamos no mês de JULHO de nosso senhor Lula 2018. Apenas não sei. O que aconteceu de abril (abril!) pra cá, a não ser que Gretchen <3 que férias <3 que mais? Não sei. Mas então vamos por parte:

TÔ ASSISTINI
Vamos considerar que eu estive de férias, ok? Sem mais delongas fomos de Big Little Lies – que eu adorei, achei um suspense super bem construído e adorei cada uma das personagens como não adorava personagens totalmente diferentes de mim desde Desperate Housewives -; Terminamos a segunda temporada de Crazy Ex-Girlfriend, que vai se configurando como uma das minhas séries favoritas da vida real oficial; Não conseguimos passar por Dear White People o que, sim, diz muito sobre a gente, infelizmente; Nem tampouco por American Gods – por enquanto, mas daremos uma nova chance, já que Neil Gaiman merece tudo; Tivemos uma temporada redentora e maravilhosa de Ru Paul’s Drag Race nesse ínterim (uia) que aqueceu meu coração peludo com novas dúvidas de gênero ainda sem solução; Nos divertimos bastante com as novas temporadas de Unbreakable Kimmy Schmidt, ainda melhor que a anterior, e Master of None, tão sensível e divertida, mas que cagou grandão na personagem feminina dessa vez.

Agora uma grande pausa para falarmos em caps loka sobre uma obra de arte em formato de série que é The Handmaid’s Tale: falamos no famigerado abril que havíamos terminado a leitura (incrível) desse livro e BUM, veio a série. Que série, senhores. Que série. Que série linda, bem adaptada – beeeem diferente do livro e, ainda assim, ótima, bem desenvolvida e fiel – que fotografia linda, que trilha sonora incrível. Que série absolutamente necessária, inclusive. Que seriezona da porra, eu diria. Assistam. Serião.

TÔ LENI
Não estamos lendo nada por que, caros amigos? Porque eu terminei a maluca tetralogia napolitana da Elena Ferrante e estou o que? Morta. Passada. Enterrada. Morta mais uma vez. Eu não tenho a menor condição de falar nada além disso, só que fazia tempo que não ficava tão absorta em algo. Fiquei. Não sei sair. Alguém me ajuda? Estou em dúvida se leio mais livros da Ferrante agora, ou se tento me desvencilhar de uma vez. Alguém tem alguma recomendação de leitura pra me ajudar?

Ah, eu também li A guerra não tem rosto de mulher, da Svetlana Alexijevich, que é uma porrada tão grande que eu lia mais ou menos 3 páginas por dia pra conseguir sobreviver.

TÔ FAZENI
Eu tirei férias. Pela primeira vez na vida adulta eu tirei férias e realmente tirei férias, fiquei em casa 26 dos 30 belíssimos dias que a CLT (ainda) me permite. 4 desses dias foram muito bem aproveitados em uma viagem que surpreendeu muito positivamente, embora simples, mas todos os outros diazinhos foram tirados para 1) descansar; 2) resolver tretas da vida; 3) descansar; 4) pensar na vida. O resultado eu posso dizer que foi bem mais positivo do que eu esperava, muito embora (claro), parece que foram 3 dias, e não 30. Estou com saudades? Estou com saudades. Todo dia. A cada minuto. Não vou dizer que fiz tudo o que queria, pois nem tretística quanto lazerzísticamente isso foi uma verdade, mas me fez repensar a vida.

E tamo como, gente? Tamo repensando a vida. Já parei pra pensar que vou mais a fundo aqui nessa reflexão, mas muito provavelmente eu não farei isso, então vou dizer que comecei, finalmente, a por na ponta do papel – do alto do enorme morro dos meus privilégios – as vantagens do bom e velho trabalhinho. Dói pensar nisso, porque a gente se cobra de todo o lado: pra fazer algo que ama, pra ser feliz fazendo o que ama, pra fazer algo pra pagar as contas, pra agradecer porque você tem e muita gente não tem, pra não reclamar de barriga cheia, pra se contentar com o que há… São tantas questões. Nenhuma conclusão. Só uma angústia constante que, minha gente, já já vai tirar até o CPF e título de eleitor.

OS TOMBO QUE EU TÔ LEVANI
Eu voltei a trabalhar;
Minha alergia continua por aqui;
Achei que tinha embalado na academia, mas era mentira;
A crise com a vida segue belíssima. Dizem que está loira também.
(teve até problemas em escala, olha que beleza do design que eu sou minha gente)

OS PULO QUE EU TÔ DANI
Seguimos fazendo algumas coisas para nós mesmas, no caso umas atividadji muito maluca de se pendurar nas coisas enquanto estamos peladas (gostando cada vez mais e cotando a instalação de um pole na minha sala? Talvez).

Decidimos também por meio destes 28 anos sofrendo do mesmo mal o quê? Cuidar de vez da belíssima face eliminando as espinhas com aquele-que-não-pode-nomeado, o Roacutan. Pra quem não conhece, Roacutan é um remédio fortíssimo, desses que a gente precisa assinar “termo de compromisso”, que promete (e cumpre na maioria das vezes) eliminar as espinhas para todo o sempre. Ele é cheio de restrições, efeitos colaterais que vão de ressecamento total (sim, total. Sim, TOTAL. Isso aí mesmo que você tá pensando resseca também) do corpitcho, dores nas juntas, de cabeça e, em casos mais severos, desgraçamento geral da cabeça. Estou com medo? Estou sim. Mas estou também bem esperançosa com o tratamento e já MUITO feliz com os resultados da primeira semana de uso.

Também consertamos a vitrola que era dos meus pais e zeramos o bingo hipster indo a feirinhas de vinis. E agora eu tenho esse hábito caro de ouvir um vinil tomando um vinho. Que vergonha da minha pessoa, minha nossa. Meus filhos darão bastante risada.

AS COISA QUE EU TÔ QUERENI
Inaugurando esse novo campo marabrijoso aqui como uma espécie de resolução de ano novo permanente pra me ajudar naquela coisa de fazer as coisas por si mesma. Tô quereni intensamente para os próximos meses: voltar a fazer cursos “sem propósito pra mim”, esses de artchi, de artesanato, de tia tricoteira dos gatos, esses mesmos. E entender, junto que isso, que eu não preciso transformar tudo o que eu sei/gosto de fazer necessariamente em um trabalho. Tá?

as obra doida de inhotim. as maluquice que a gente anda fazendo. o gato de roupínea. os vinil hipster.

 

Certeza que, da próxima vez, já vai ser dezembro. Certeza.