diarin #4 – e seguimos

Primeiramente vocês já sabem e fora isso, fora Temer. Segundamente seguimos por aqui, vivos, fortes e relativamente firmes tentando entender o que acontece nesse mundo.

Tô assistini

Eu ainda preciso escrever decentemente sobre Gilmore Girls e sobre o que significou assistir Gilmore Girls nessa fase da minha vida. Mas, sim, Gilmore Girls, e acabou e eu estou completamente devastada. Foram 7 temporadas de amor verdadeiro e hoje eu passo os dias gemendo Lorelaaaai baixo pelos cantos por ser uma menina má. Está triste.

Pra tentar compensar a falta que Lorelai me faz, eu resolvi embarcar em Stranger Things e superar meu medo pelo hype. Valeu a pena? Pra caralha. Passei medo? Muito. Ainda estou com medo? Demais. Levanto sozinha pra fazer xixi à noite? Nem que me paguem. Mas sim, Eleven e Dustin, meu coração é de vocês pra sempre. Assistam, sério. É maravilhoso. E eu quero reassistir todos os filmes incríveis dos anos 80-90 com a mesma vibe, mesmo sabendo que me cagarei por completo.

E Narcos voltou e eu tô aqui nos primeiros eps de norrotros e Pedro Pascal – o que equilibra minimamente meus terrores noturnos, if you know what I mean. Aguardemos, parece que tá bem boa a menina segunda temporada.

Tô leni

Outro textão to be aqui é a relação desse ano complicado com a minha falta de leituras. Falta de leituras means: eu não li nenhum livro. Nenhum. Livro. Desde maio, pelo menos, eu não consegui dar conta de nada, e olha que tivemos um Harry Potter (ruiiiiiim que dói meu deus que dor no coração – tá vendo, eu comecei algo…) nesse meio tempo. O boy tá tentando me convencer a ler Sandman, que por algum motivo misterioso eu ainda não comecei. Vamos ver.
Se eu tô me cobrando a respeito disso? Ô miga, cê num tem ideia.

Tô fazeni

Continuo fazendo umas coisas bonita ocasionalmente assim, mas nada muito produtivo, nada muito constante, nada que me dê muito orgulho. Até estou tentando, com relativo sucesso, tirar um projeto de longa data do papel de maneira mais efetiva (em breve, pequenos gafanhotos, em breve), mas por enquanto não é nada que dê pra falar: prazer, Isadora, jornalista (HAHAHAHA), editora-assistente e INSIRA AQUI SEU PLANO B QUE TE TORNA INCRIVELMENTE MAIS LEGAL E DESCOLADO. Ainda não. Vamos ver.

Agora que eu terminei de pagar os boleto mais pesados do casamento, viagem e coisa e tal, resolvi que poderia voltar a investir nuns cursos de humanas, tipo “escreve bonito”, “escreve pras quianssa”, “faz umas joia de material alternativo” assim. Nenhum deles começou ainda, mas veremos.

A real é que minha casa é muito maravilhosa para não ser usada e eu tenho passado cada minuto que posso, entre um impitima e outro, oscilando entre debaixo do cobertor + netflix e em cima do cobertor + netflix, dependendo da temperatura. E olha: vocês perceberam (VOCÊS PERCEBERAM NÉ?) que eu até escreve um tiquinho mais esse mês que passou? Uhum. Tô felizinha com essa perspectiva, de conseguir manter um ritmo, de conseguir botar pra fora.

Os tombo que eu tô levani

Eu. Não. Consigo. Me exercitar. Gente, o que acontece com a pessoa? Eu vou um, dois, três dias na bendita da academia e a minha vontade de morrer aumenta exponencialmente a cada uma – e nem é de “cansaço do treino”, é de falta de motivação pra viver mesmo. Que morte horrível. Eu já vi vídeo de blogayra fitness, já vi vídeo de blogayra não-fitness, já procurei dicas científicas, já tentei vídeos caseiros, juro que já gastei muito energia tentando descobrir comofas pra ter energia pra acordar cedo e fazer meia hora de caceta de esteira que seja e não consigo. Acho que estamos nos aproximando do momento de apenas aceitar esse fato e viver na casa dos 10kg acima do peso para todo o sempre e fim.

Os pulo que eu tô dani

Meu cabelo anda maravilhoso, cês viram? Tamo até fazendo selfens periódicas apesar do papo decorrente dos 10kg a mais e das espinhas decorrentes da vida que não perdoa. E eu gostei deveras da atualização do instagram (eu sei que faz mais de mês gente, EU SEI, vamo superar) de stories e tou postando uns videozin lá pra dizer que eu tou atualizada e condizente com a juventude que vocês acham que eu tenho.

Aliás, percebissesdia que a sociedade já não me classifica mais na categoria xóvens ou xuventudji e foi um baque, eu preciso dizer. Primeiro as enquete que te dão a opção 25 a 34, depois isso, que nem no maracatu abortista esquerdista ditadura gayzista sou mais um membro possível.

Estamos aguardando os primeiros sinais concretos do retorno de Saturno. Ansiosamente.

diarin

E como essa é a minha versão tímida e sem bolas de uma newsletter eu vou fechar esse post com o meme que tem me levado adiante em tempos de correr da poliça e brigar cas pessoa no site feicers:

harry_torrone

bejo amo vocês