• vida bandida

    corpo são, mente descaralhada

    Como vocês sabe, há algum tempo eu venho frequentando a academia. Nesse período, já cometi algumas selfies de treino, já legendei imagens com “de hoje tá pago”, já até levei um famigerado squeeze com um famigerado whey protein (a versão vegana – deusa do céu, que coisa horrorosa). Logo eu, que me vangloriava de nunca ter feito tais coisas, fiz. Eu confesso, eu fiz. E digo mais: se você for semi-constantemente à academia, você também vai fazer. Vai por mim. É praticamente incontrolável. Eu tenho vários problemas com a academia. O primeiro deles é que eu detesto ir à academia.…

  • 30 antes dos 30,  vida bandida

    30 antes dos 30 – tirar os dentes do siso

    Uma história de superação. Vamo contar a história da pequena Menina Isadora. Pequena Menina Isadora sempre foi uma menina muito metida a forçuda. Pequena Menina Isadora sempre foi brigona e briguenta, sempre achou que dava conta de todas as intempéries, sempre foi de fazer esportes brutos, de se provar. Fugiu da aula de balé pra fazer taewkondo, quebrou o çu jogando futebol cos meninos, perdeu o tampão do dedão no asfalto mais vezes do que pode recordar. Menina Isadora sempre se orgulhou de ser uma menina brutalhona e fuck the police esteótipo de gênero. Mas. Menina Isadora morre de medo de…

  • vida bandida

    vai com calma

    Olar meu povo, feliz ano novo! O que dizer de um ano que já começa na loucura loucura loucura de modos que a gente só consegue chegar por aqui em pleno dia 15? Não sei. Tá sendo bom? Não sei. Tá sendo ruim? Não sei. Tá sendo cheio de coisa? Tá, ô se tá. A vida de vocês também costuma ter uns ciclos assim, cheios de coisas, e outros em que parece que nada acontece? A minha sim. Especialmente dividida em meses, ou em fases. Do tipo: dez-mar é UMA LOUCURA. Começa no final do ano, em que todo mundo…

  • vida bandida

    2016 eita; ou seventy years of being human

    Tá todo mundo feliz que 2016 acabou. Cara, foi treta. Foi difícil. Foi truncado. Exigiu muito da gente. Levou muito da gente. Colocou todos os nossos princípios à prova todo-o-santo-tempo. Se foi. Mas tá aí: a gente sobreviveu. E eu, no alto da minha patetice pisciana, acho que a gente acabou aprendendo com tudo o que se viu obrigado a desapegar. Na marra. Estamos todos cansados, exaustos, sem ter de onde tirar energia. E também que eu não posso reclamar. Mesmo que tenha sido no meio de um monte de dificuldade, 2016 foi o ano que, bom… Que eu posso…

  • vida bandida

    hello can you hear me

    Eu não posso falar. Esse não é um texto metafórico metafísico metonímico em que eu relaciono os acontecimentos do mundo com a minha rouquidão nem nada. Poderia? Poderia, ô se poderia. Mas não é. Essa não é uma grande divagação sobre eu, como mulher, me sinto completamente impotente e insignificante diante dos últimos acontecimentos. Deveria? Uhum. Mas não é também. Isso é uma recomendação médica. Sexta-feira à noite, aquele stress gostoso, aquela sensação de “só eu me preocupo com essa porra de verdade” e o quê? Gripe. Aquele começo de gripe gostoso, maroto, moleque, que te deixa toda meio entupida…