todo dia ela faz tudo sempre igual

30 antes dos 30 – Cantar no karaokê até ficar sem voz

Aquele dos 28

Tem algo de mágico em cantar, pra mim. Eu até canto direitinho – e, ouso dizer, que se me dedicasse a isso, eu ia é arrasar – mas tem alguma coisa de só berrar loucamente imitando a Marília Mendonça. No falsete do Steve Tyler. Tem algo de libertador e ousado e em grande parte fomentado pela minha magnífica lua em Leão em subir num palquinho e performar para desconhecidos e amigos. E com os amigos.

No meu aniversário – que já passou há tanto tempo que parece até outra dimensão – eu finalmente consegui ir a um karaokê. Tradicionalzão, da Liberdade, com a galera cantando Whitney Houston em japonês. E foi o quê? Foi, sim, foi maravilhoso! Marcando aqui pra me lembrar de sempre inventar uma desculpa para marcar um get togheter ao som de Ragatanga na minha bela voz.

Top 10 Hits da Isadora no Karaokê

  1. Someone Like You – Adele
  2. Cryin’ – Aerosmith
  3. Livin’ on a prayer – Bon Jovi
  4. Toxic – Britney Spears
  5. 50 Reais – Naiara Azevedo Ft. Maiara e Maraisa
  6. Infiel – Marília Mendonça
  7. Wannabe – Spice Girls
  8. I Want it That Way – Backstreet Boys
  9. Zombie – The Cranberries
  10. Total Eclipse of the Heart – Bonnie Tyler

Obviamente não teremos vídeos nesse post 🙂

 


esse post faz parte da série ~30 antes dos 30~, lista ambiciosa de coisas que eu separei pra fazer antes da fatídica idade chegar. você pode acompanhar meu fracasso por aqui – mas eu torceria por mim. estou torcendo. vamos lá. 

30 antes dos 30 – Participar de um projeto voluntário

Começamos bem essa história de 30 antes dos 30 <3

Há bastante tempo eu estava querendo participar de um projeto voluntário – até, dica migas, como uma maneira de dar algum sentido mais prático ao meu tempo e diminuir aquela velha loucura de “não estou fazendo nada de bom” – e, claramente, seria alguma coisa voltada para animais. Pessoas, elas são complicadas, bichinhos não. Ainda que tenhamos que nos envolver com pessoas para ajudá-los ¯\_(ツ)_/¯

Ainda bem que a vida tem me dado pessoas incríveis pelo caminho. De um dia pro outro, retomei uma amizade querida com a Ana  – sim, a mãe do Café e do Django, meliores catiorros dessa internet <3 – que me apresentou gente muito do bem como a e a Lully, todas engajadíssimas na causa dos bichíneos. E a Lully, essa pessoa de outro mundo que dedica a vida a isso, é a idealizadora da empresa social Celebridade Vira-Lata que, nos seus 8 anos de existência, já castrou mais de 9 mil bichos. 9 MIL BICHÍNEOS GENTE. Sabe?

Eu não vou entrar aqui nos detalhes de importância da castração e adoção de bichinhos – e cada vez menos eu estou tolerante pra ter discussões como “mas eu queria tanto um cachorro que não late!” ou “mas eu preciiiiiso ter um corgi”, então vamos evitá-las – mas vamos pelo princípio básico de: não se precifica a vida, não se compra um animalzinho, não se deixa um bichinho solto, especialmente, sem castrar, reproduzindo loucamente e espalhando ainda mais bichinhos precisando de lares por aí. Ok? Então ok. Castração + adoção = todo mundo feliz, animaizinhos e pessoinhas. Simples, né?

Bom, eis que pensando nisso, a Celebridade Vira-Lata organiza a festa do Dia Mundial do Animal, comemorando o mês dos animais. O evento aconteceu esse ano lá na Casa das Caldeias – que lugar lindo, gente! – e teve uma programação incrível com palestras, workshops, shows, exposições, bazar de ONGs e pequenos empreendedores animais com a renda revertida para a causa e comida vegana delícia.

Foi um domingo inteiro, de de manhãzinha até à noite, carregando caixa, caminhas de catiorros maiores que eu, empurrando mesa, anotando inventário, vendendo, explicando, contando dinheiro socorr cicarelli num sei e aprendendo muito, muito, mas muito mesmo, sobre como a vida da gente pode ser, sim, mais meaningful. As barrinhas do coração e da energia voltaram pra casa batendo no teto de tão recarregadas <3

E como eu sou um gênio e não vim aqui escrever antes do rolê, pra vocês poderem ir (!), venho aqui escrever depois do rolê pra vocês saberem como ajudar: comprem o calendário de 2017 do Celebridade Vira-Lata. Primeiro porque ajuda esse projeto lindo de castração, ajuda os bichinhos, ajuda a gente a ser mais consciente. Segundo porque OLHA ESSA MARAVILHOSIDADE:

calendario-mesa-2017

Tem catiorro de carnaval, tem catiorro reflexivo, tem catiorro Iemanjá. SÉRIO GENTE. Não tem como resistir a isso, né, minha gente? E claro, você também pode doar diretamente no página do projeto.

Dizem que a gente faz esses atos de bondade, de voluntariado, na verdade, apenas pra gente – uma coisa bem egoísta assim. Pra nos sentirmos bem, pra compensarmos algo, pra nos exibirmos. Meio cético, né? Mas, se for pra ser por esse lado, por mim, bom também, e fica a dica: participar disso fez com que eu me sentisse, sim, bem comigo mesma, bem com o mundo, e tivesse uma pontinha de restauração de fé na humanidade. Me motivou pra mudar mais. E me ajudou com questões aqui de dentro. Se por egoísmo ou altruísmo, tanto faz: ajudem. Vocês vão ver como faz bem!


Esse post faz parte da série ~30 antes dos 30~, lista ambiciosa de coisas que eu separei pra fazer antes da fatídica idade chegar. Você pode acompanhar meu fracasso por aqui – mas eu torceria por mim. Estou torcendo. Vamos lá. 

 

meus lugares favoritos de SP

E cá estamos, acompanhando o resultado dessas eleições que meudeusdocéu, que medo. Apreensiva de verdade sobre como as coisas se configuram e torcendo pra que essas também sejam de mentira, como a que tivemos em 2014 pra presidente, né? ¬¬ Isso me fez pensar bastante no quanto eu gosto dessa cidade. Porra, eu gosto muito dessa cidade. Ela não é fácil, ela não é justa, ela é imensa e cheia, cheia, cheia de problemas, mas cara, como eu tenho carinho por ela ter me acolhido, por ela deixar a gente ser quem a gente quer ser (mesmo que a gente não saiba).

Passando um final de semana lá no canto de onde eu vim – que nem é tanto interior assim! – fiquei com saudade. Cheguei em casa e o Minhocão, dessa vez, não estava fechado: vi aqui da janela uma porção de carros pra lá e pra cá, no lugar das bicicletas e catiorríneos que costumo ver aos domingos. Da janela de casa, sabe? Tem muita gente que torce o nariz: como assim, você mora do lado do Minhocão? Como assim, você acha bonito ver o Centrão da janela? Essa cidade é mesmo muito doida e faz a gente aprender a ver beleza em tudo, no cinza, no concreto, no asfalto, em pequenas vitórias cotidianas. Quem falou bonito sobre isso foi a linda da Nicas, vocês já leram?

E como eu sei que muita gente tem curiosidade sobre os lugares que eu acabo visitando na minha rotina aqui pela região do Centro/Santa Cecília, resolvi fazer uma listinha rápida dos preferidos, aqueles que fazem parte quase que todo final de semana – porque a gente também pode ter comunidade mesmo no meio dos prédios, viu?

// Jardin Plantas e Flores + Jardin Cafeteria: assim que eu pisei nessa lojinha pela primeira vez sabia que não tinha mais volta. Era amor eterno, amor verdadeiro. A Jardin é uma lojita de plantas e flores (jura?) que fica na frente da pracinha da Biblioteca Monteiro Lobato, então, cesvejem, já começou difícil. E nessa onda de ser a louca das plantas, eu posso dizer com propriedade: são as bichinhas mais highlanders e bonitas que eu tenho – vencem, inclusive, as investidas do gato-vaca Raposo aqui de casa. Daí que além das plantinhas em si, além do gosto incrível pra itens de decoração e outras coisinhas que tem na loja, veio a ideia sensacional de expandir e criar o quê? Um café. é um dos ambientes mais aconchegantes que eu já conheci. E não posso terminar esse post sem dizer: comam o brownie (como também as empadinhas deliciosas, o pão de queijo, o cafezinho coado, os sucos, os bolos absurdos). Sério: comam o brownie.

// Parque Minhocão: chamem pelo nome social. É engraçado pensar como pode ter tanta vida num troço gigantesco de concreto e asfalto – e tem. Tem todo sábado e todo domingo e toda as noites. E deveria ter mais. É triste pensar na carência que a gente tem de espaços mais “adequados”, que fazem com que a gente precise amar tanto uma avenida ou um viaduto. Mas a gente ama. O Minhocão, que vira parque cheio de bicicleta, skate, patinete. Cheio de cachorro e criança. Com peça de teatro, com exposição, com todo tipo de esporte, com piquenique. Com uma luz que só tem lá. Com todo tipo de gente – com todo tipo de gente, do jeito que tem que ser uma cidade. Convivendo.

Parque Minhocão

meu coração é mudérno <3

// Parque da Água Branca: esse tá mais lá pra Pompéia/Perdizes que pro Centrão, mas considerando que eu chego com 5 minutos de busão, tá dentro. O Parque da Água Branca é o tipo de parque que eu gosto: que faz a gente esquecer da cidade. A começar que tem um monte de bichinho solto: galinhas, pintinhos, patos, tartarugas, gatos e até um ou outro macaquinho ocasional. É uma graça! (Mesmo pra quem morre de medo, não que eu seja uma pessoa dessas). É um parque bem cuidado, com um monte de espaços e atividades pra galera, e com uma feira de produtos orgânicos incríveis que acontece terças, sábados e domingos, das 7h às 12h. E ainda dá pra tomar um café delicioso por lá, também.

Parque da Água Branca

macaquíneo!

 
Se tiverem a oportunidade, visitem esses lugares – e me chamem pra comer um brownie!

30 antes dos 30 – um post ambicioso

Vocês já devem ter notado que eu não sou uma pessoa que cumpre com metas – vide todos meus posts de “resoluções de ano novo” que vêm consistentemente sendo abandonados antes de janeiro sequer chegar ao fim (nem vou linkar, nem tentem). Mas aí que junto com esse monte de reflexão bizarra que esse Retorno de Saturno (sim, já aceitei) está trazendo, eu achei que seria uma boa ideia fazer uma listinha de coisas que ainda quero fazer e colocar um prazo aceitável para que elas acontecem – exatos 2 anos e meio de hoje, quando eu, Isadora, a primeira de seu nome, farei 30 aninhos e SOCORR.

Breve interlúdio: era pra ter postado isso ontem, não postei. Vim aqui editar tudo hoje no almoço pra ficar bonitin e vocês ficarem felizes. Postei. O WordPress não publicou minha versão atualizada. Ô CAPETA.

Se eu estou em paz com essa perspectiva? Digamos que tamo aí. É mais uma sensação de não parece que é real do que um desespero com a ideia de fazer 30, sabem. Me parece que eu vou ficar eternamente com aquela sensação de que eu não sei o que tô fazendo da minha vida, sendo que eu deveria ter noção disso com essa idade. Ou não? Sei lá, mas vamos nos incentivar a fazer coisas belas, né migas. Vamos a elas:

  1. Ficar de boas com meu guarda-roupa: ousseje, mandar mais (mais!) um monte de tralha embora e comprar mais um monte de tralha nova, essas mais condizentes com a Isadora senhoura de 30 anos que serei (mentira, continuarei comprando camiseta de personagem).
  2. Conhecer mais lugares novos em São Paulo: não, esse tópico não (e nunca) se trata de baladas. Tamo falando de comer, tamo falando de beber, tamo falando de postar foto hipster no instagram e ser trendsetter e se amontoar nas filas pra entrar. Tamo.
  3. Fazer mais atividades ao ar livre: vamo fazer uma trilha, uma caminhada, um piquenique no parque, vamo dar um rolê né gente. O sonho da minha adolescência era ser adulta e “fazer bate-volta da praia” e a quantidade de vezes que eu fiz isso até hoje é ingoal a 00.
  4. Ficar de boas com a Isa 2019: #projetoisapanicat2019. Cês vão ver. Confia em mim. Cês vão ver. E meu cabelo estará lindo.
  5. Fazer um atividadji física regular: que é diferentji do item acima pois consiste em praticar um esportji ou similar com prazer e certa dedicação ou pelo menos adicioná-lo a minha rotina. Veremos.
  6. Tirar um projetin do papel: um deles. Tem tantos. Tem milhares. Não precisa ficar rica, não precisa por no currículo fake, não precisa fazer cartão de visita: só tirar do papel e parar de se arrepender por não fazer.
  7. Conhecer a Europa: Rory Gilmore me convenceu. Óbeveo que não A EUROPA assim né gente toda ela, mas uns dois ou três países acho que meu 13 guenta se nosso excelentíssimo presidente me conceder essa honra até lá.
  8. Conhecer mais do Brasil: porque pelo amor de deus né mores, se a gente vai pra Europa num tem como ficar viajando pela América Latina todo ano. E esse país é bonito à beça também e tem migos espalhados por aí pra gente conhecer.
  9. Me presentear com um day spa: Dia. De. Princesa. Se a gente não pode ser rico todo dia, vamos pelo menos fingir ser rico um dia da vida, né? Quero um dia inteiro de sombra e água fresca e massagem nos pés e não pensar nos boletos.
  10. Não comer carne por 1 mês: primeira tentativa de parar de comer bichinhos e viver mais em paz consigo mesma namastê. | Sobre me tornar vegetariana
  11. Ver um jogo de futebol no estádio: pra poder xingar tudo o que eu quero num ambiente controlado. VAI CORINTHIANS!
  12. Andar de bicicleta: veja bem, aprender eu já aprendi. E, igualzinho ao que eu fiz ao aprender a dirigir (sim, eu sei dirigir, eu só não quero dirigir), eu aprendi e nunca mais tirei a bicicleta da ~garagem. Ousseje: parar de ser idiota.
  13. Tirar os dentes do siso: ousseje: parar de ser idiota [2]. Me recuso ser uma panicat de 30 anos com cabelos incríveis e dentes adolescentes, me recuso. | Uma história de superação
  14. Escrever e enviar um livro infantil: postei e saí correndo.
  15. Tatuar os gatíneos: fazer desenhos dos meus gatos na minha pele, gente, peloamordedeus, não confundam.
  16. Fazer um BEDA: eu vi vocês fazendo coisas lindas e fiquei coinveja. Vamo ver se me programando com dois anos e meio de antecedência eu sou capaz ¯\_(ツ)_/¯.
  17. Fazer um curso de “design”: de artji. Não precisa ser nada grandioso ou comovente, é só pra conseguir fazer as montagens mais profissionais e os memes menos porcos.
  18. Estudar uma língua: para que pueda hablar cosas lindas com Pedro Pascal, por ejemplo. Sem grandes aspirações, gente.
  19. Ensinar algo a alguém: o quê? Num sei. Pra quem? Também não faço ideia. Mas se eu souber fazer alguma coisa que você queira aprender, fala comigo 🙂
  20. Cantar no karaokê até ficar sem voz: Adele. Aerosmith. Bon Jovi. Ragatanga. Porque é uma das coisas que eu mais me divirto fazendo e faz milênios que eu não faço, então me convidem porfa. | Aquele dos 28
  21. Ir em um desfile das escolas de samba São Paulo com a minha mãe: de novo, para poder gritar VAI CORINTHIANS em ambiente controlado.
  22. Aprender a costurar: vender as miçanga na praia, gent, tá aí o futuro. Pra gabaritar a tabelinha do “tia do artesanato” definitivamente, certo?
  23. Presentear com coisas que eu fiz: se você é meu amigo se prepare porque eu vou te encher de coisa que você vai ter que lembrar de tirar do armário quando eu for te visitar.
  24. Fazer um bolo: nunca fiz. Sérião.
  25. Tomar um banho de cachoeira: nunca enganei ninguém tentando ser hipster, sou mesmo hippie e sempre fui;
  26. Participar de um projeto voluntário: muito provavelmente relacionado a bichinhos, claro, deusmelivre ter que me relacionar com gente. | Dia Mundial do Animal – Celebridade ViraLata
  27. Guardar dinheiro: nenhum autocontrole e uma culpa católica (talvez meio turca também) de não conseguir fazer mais isso. Então que fique aqui pelo menos de lembrança pra Isadora do futuro.
  28. Manter/melhorar a frequência de postagens aqui no blog: vejem que eu sou uma otimista, né. MELIORAR. Uhum. Mas pelo menos manter essa coisa miúda de um post por semana nunca matou ninguém vai.
  29. Fazer um post para cada item dessa lista que for “cumprido”: ou estiver sendo, já que nem nos meus sonhos mais loucos eu sequer ousei imaginar (!) que faria post de “avanço dos treinos” ou “tour pelo closet da Isa” aqui. Mas dar uma registradinha a gente vai, ô se vai.
  30. Dar uma puta festa de 30 anos: reza a lenda que eu dou ótimas festas. Quem comentar direitin até os 30 vai ganhar convite, heh.
Aguardemos. Torçam por mim.

TAG: louca dos gatos

Essa coisa linda que é a Nicas me indicou pra fazer a tag Louca dos Gatos que veio em ótima hora, pois até eu tava ficando exausta dos meus posts reflexivos socorr-a-vida-adulta-é-desesperadora. Não que eles vão acabar, afinal de contas, a vida adulta é desesperadora, mas é bom dar um respiro, ainda mais com essas coisas maravilhosas que são esses serumaninhos:

2016-09-03-03-29-51-1

2016-09-04-10-12-20-2

Benjamin e O Fantástico Sr. Raposo, muito prazer.

Quando o Raposíneo chegou e a adaptação dos dois foi pra lá de difícil, eu escrevi um textão contando um pouco da história, até pra ajudar as miga que também tiveram problemas e deixar claro: tudo dá certo. Hoje, os dois não se separam nem por um minuto, dormem juntinhos dividindo a caminha e me acordam às 4 a.m. caçando um ao outro embaixo das cobertas na região da minha bunda. Apenas amor.

Mas vamos às perguntas da tag:

// Quantos gatos você já teve? não é uma pergunta complexa, mas a resposta pode ser. Minha tia sempre teve gatos, que me ignoravam devidamente como gatos desconhecidos devem fazer, e eu sempre levei da maneira que levo hoje: crying for attention. Na casa do boy, depois de véia, tivemos experiências bem traumáticas com “nossos gatinhos” que eu ainda não tô pronta pra contar (mas escrevi um textico por aqui), mas que me fizeram ser a pessoa que quer assassinar seres humanos que deixam seus gatos soltos na rua – não interessa o quanto eles “sejam felizes de andar por aí”. Enfim, assunto pra outro dia. Quando eu finalmente pude ter meu apartamento telado e seguro pros bichinhos, adotei primeiro o Benja e, depois de alguns meses, o Raposo, que são os donos da minha vida até hoje.

2016-09-02-08-44-50-1 2016-09-03-03-27-27-1

// Sempre teve gatos? não, e inclusive, me dizia uma pessoa muito mais do time dos cachorros. Mal sabia eu que, nossa, não. Sou tão do time dos gatos que provavelmente eu seja um felino e só não tenha notado ainda.

// Quantos gatos tem agora? dois, Benjamin e Sr. Raposo.

// Gostaria de ter mais? to-do-dia penso nisso, cada vez que recebo um post de um site de adoção, cada minuto que os dois estão calminhos dormindo, cada segundo que piso na rua e vejo um espacinho vazio que certamente já serviu de abrigo prum felino de rua.

// O que determina o número de gatos? Dinheiro, espaço, tempo, pessoas com quem divide a casa? Principalmente o espaço (apesar da nossa casa ser relativamente grande, ia ficar meio cheio), e também a perspectiva de, quem sabe um dia, dar umas voltas pelo mundo. Dois gatinhos a gente conseguiria levar “um em cada mão” mas, mais que isso, poderia deixar os planos mais complicados – e envolveria, claro, mais dinheiro, o que sempre complica.

// Já resgatou gatos da rua? Quantos? Não ainda. Faz parte dos planos futuros participar mais ativamente dessa parte de resgate, não sei direito como ainda, mas vai rolar.

// Já passou apuros por ser a louca dos gatos? Tirando todos os momentos que eu tento raptar gatos alheios e a quantidade de dinheiro que eu gasto com objetos de decoração, brinquedos e outras parafernálias ridículas com a temática, não, nunca. Absolutamente nunca. “Mas nem pra viajar, Isa?”. Gente, nem pra viajar. Pra viajar existem amigos, cat sitters incríveis, família: dá-se um jeito. O coração fica apertado, destruidinho de ficar longe, mas eles estão lá: bem alimentados e felizes. É só amor, gente.

// Ajude as migas gateiras: marca de ração seca, marca de ração molhada, marca de areia, brinquedo preferido. Aqui a gente dá Royal Canin Premium pros dois, misturada com a Royal Renal pro Benjamin – cujo uso ainda será discutido com um veterinário mais confiável. Ração molhada acaba sendo Whiskas mesmo (não julguem migos) de vez em quando, pra não entupir muito os bichinhos. Não usamos areia: a sílica grossa resolveu melhor a questã, reduziu muito o cheiro e diminuiu a bagunça que ficava pela casa – eles se adaptaram super bem. E sobre brinquedos: os ratinhos de 2 golpinhos são os preferidos, mas vocês também podem incluir nossos pés, as plantas, carregador de celular e canetas caras da mamaim.

// Miga, você se imagina virando ~a velha dos gatos~? É só o que eu espero, não consigo imaginar um cenário melhor <3

2016-08-29-11-20-38-1

2016-08-24-07-29-44-1

Recadinho do Benjamin pra vocês:

c1crrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

2016-09-07-08-50-07-1

Fiquem à vontade pra responder, quero ver foto de gatíneo!