projeto de vida

ser mais consciente

Deve ser a idade. He.

Mas a real é que desde o ano passado (ou o outro, pra mim 2014 e 2015 foram uma grande massaroca de dias) eu tenho prestado mais atenção e mim e nos meus hábitos. Isso não quer dizer de maneira nenhuma que eu estou efetivamente fazendo alguma coisa boa pra mim. Claro que não, migas. Isso só quer dizer que eu tô prestando atenção na quantidade de besteira que eu compro/consumo/como/leio/tenho na vida e fico aqui me culpando constantemente por isso.

Tá. Não é bem assim. Eu tenho tentado. Já é um primeiro passo, né? Mas a verdade é que numa mistura de timing pessoal e tendência mundial, a vida tem me apresentado opções mais “low”, mais orgânicas, mais pessoais, mais feitas em casa, mais naturais, menos industrializadas e mais verdadeiras em quase todos os aspectos. Percebi isso esses dias quando uma amiga se referiu a mim como natureba. Na. Tu. Re. Ba. Atenção. EU. A Isadora. Natureba.

Vai chegar mesmo o meteoro, mores.

Daí que eu decidi botar isso pra fora (aqui, claro, meu pinico virtual) porque 1- eu preciso aceitar que estou fazendo deliberadamente coisas boas pra mim mesma, ainda que elas não sejam grandiosas; 2- vai que eu ajudo alguém, sei lá. O processo é lento e não tem nada de radical-natureba-virei-hippie não, e se eu, a rainha do Cartão Renner, consegui, vocês também conseguem. Acreditem. A chave está, eu acho, em ser mais c-o-n-s-c-i-e-n-t-e, antes de escolher um time, uma seita, uma religião. Ser mais consciente significa ir atrás do que você está consumindo, seja no cartão de crédito, seja no seu corpitcho maravilhoso, como e porquê aquilo chegou até ali. A gente vive nesse mundo maravilhoso na tecnologia, então gente, dá pra saber. Tudo. Até demais. Até te fazer ter culpa. Com razão. Com motivo. Vai atrás, vai!

Cês sabem que eu sempre fui extremamente consumista e acumuladora. Deveria ter sido mais zelosa com meu dinheiro? Aaaah miga, conte-me mais sobre isso. A questão é que em meio a mudanças (várias), casa nova, novas preocupações financeiras e também, e acho que especialmente, um amadurecimento pessoal mesmo, sobre a vida e as necessidades reais da gente, essa fase – longa, duradoura e sombria – foi passando. E hoje tenho que lidar com aquele processo de destralhamento que é bem dolorido e importante.

Primeiro foi – e continua sendo, porque é IN-FI-NI-TO – com as roupas. Foram muitos anos de acúmulo completamente desenfreado e os reflexos disso ainda são visíveis no meu dia-a-dia, seja nas várias e várias roupas que nunca sequer saíram do meu armário, como naquele impulso imediato de entrar na Forever 21 4X ao dia. Mas estamos tratando esse probleminha, né, gent? E nesse processo tem muiiiita gente ajudando. Essa tendência ~mundial~ das amigas blogueiras sobre pensar tudo isso tem trazido muito material bom pra gente se inspirar, desde as meninas do ótimo Girls With Style, até a Gabi do Teoria Criativa, que tem feito da teoria do chamado “armário cápsula” quase uma religião!

E como nada desse processo seria possível sem a internet, vou deixar aqui os links aos quais eu sempre recorro quando estou prestes a ter uma recaída: O closet mais simples do mundoRicota Não Derrete | 10 ways Pinterest can help you refine your personal styleInto Mind | How to build the perfect wardrobe: 10 basic principles – Into Mind | 5 questions to ask yourself before buying a new wardrobe item – Into Mind | Qual é o número ideal de roupas que a gente precisa? – Hoje Vou Assim Off | Descanse, organize, experimente – Hoje Vou Assim Off | Como desapegar roupas e viver mais leve e feliz – Pequenina Vanilla | Tudo da Oficina de Estilo, especialmente o post Não é sobre “o que”, mas sim sobre “como”

Também faz parte uma preocupação maior com os cuidados pessoais. No segundo semestre do ano passado eu decidi parar de tomar anticoncepcional – ponto de virada importantíssimo dessa fase, que deu aquela reviravolta na vida, super complicada e de difícil adaptação mas que, uma vez passada, foi a melhor-coisa-que-eu-poderia-ter-feito. Só que, claro, minha pele fez CABUM DE VOLTA À ADOLESCÊNCIA. Pesado. Esse, que sempre foi um super problema pra mim, “físico”, hormonal e de autoestima, voltou com tudo numa fase complicada e me fez prestar mais atenção no corpo como um todo: o que eu como influencia? Exercícios mudam minha pele? Tudo mexe, gente. Nessa pegada eu descobri os produtos bacanérrimos da Lush (frescos, feitos à mão, sem testes e animais e, na sua maioria, veganos) e também uma porção de coisas sobre óleos essenciais e ativos mais naturais que ajudam com probleminhas do dia a dia e evitam que a gente se entupa de coisa artificial e feita em laboratório. E tem também esse texto muito legal com 5 Passos Para Aprimorar Sua Rotina De Beleza De Maneira Holística.

No começo do ano, o Mode.Fica – que é um dos sites mais legais que rolam hoje em dia, “uma plataforma para mulheres feita por mulheres e tem como princípio básico a moda e o estilo de vida consciente” – e a Insecta – loja vegana de sapatos in-crí-ve-is – lançaram, juntos, um guia de 10 passos para um 2016 mais consciente, um e-book lindo e com sugestões bem simples para começar a pensar mais no que a gente faz diariamente. São dicas tranquilas mesmo, gente, que vão de “faça atividades que te ajudem a se relacionar com você mesmo” a “troque o mercado pela feira”. Tá vendo? Possível. É só olhar um pouquinho pra rotina com mais carinho.

 

Muita coisa ainda tá capenga. Tipo, eu decidi diminuir radicalmente o consumo de carne e leite em casa (até por questões “médicas”), mas confesso que está sendo infinitamente mais difícil do que eu esperava – não pela vontade de comer, mas pela treta de cozinhar. Por enquanto, estão rolando algumas adaptações, mas uma hora eu chego lá! E também tem aquela boa e velha história do exercício físico que, sem or, como é difícil. Honestamente, é um martírio entrar em uma academia pra mim – eu ainda não consigo “ir atrás de um exercício físico que eu ame!” (leia essa frase com corações nos olhos de quem ama fazer exercício físico) pois não há dinheiro que pague, né gent. Mas, eu voltei pra ioga yey! Já é um passinho. Não desistir. Continuar. Vamoquevamo.

Disso tudo, nasceu uma coisa aqui em mim muito bonita e bacana e terapêutica que é a vontade de fazer as coisas. Algumas coisas. Qualquer coisas. Coisas. Mesmo que eu não saiba. Porque existe uma infinidade de maneiras para aprender e uma infinidade de coisas pra serem feitas. O que antes eu chamava de angústia e ansiedade, passei a ver que só precisavam efetivamente ser feitas.

Mas isso é assunto pra outro post, né? Por enquanto, fica aqui esse textão de autopromoção imenso que é pra eu voltar a ler toda vez que bater aquela bad de MENINAQUECÊTÁFAZENDOCASUAVIDA, porque, vira e mexe, a gente precisa de um tapinha nas costas mesmo.

o ano do macaco louco de fogo da piña colada

OIÊ GENT.

Como cês foram de ~entrada? Heh.

Essa sou eu versão 2016. Zoeirona. Divertida. Levíssima tipo bata de algodão no Mediterrâneo. Uhum. Veremos. Mas cês já notaram que o clima tá diferente? Tá, num tá? Não tá uma coisa assim mais leve e feliz, esse 2016 de Nosso Senhor? Eu acho. Claro que a gente tá achando porque 2015 foi caos e confusão, né, mas vamos focar niqui merecemos um ano mais felizinho e mentalizar que isso venha. Vamos. Dá a mão.

Eu comecei nessa vibe do ano do macaco de fogo babadeiro, como bem disse meu amigo Thiago, que só prevê alegrias cármicas pra gente nesses 366 dias que estão por vir (o post tá nos rascunhos há tempos). Tá, alegrias, eu posso estar exagerando, mas pelo menos uma energia mais produtiva, menos estagnada e mais proveitosa, eu diria. É disso que vamos falar aqui e agora. De aproveitar.

Eu acho que ninguém aproveitou o ano passado. Já fiz a retrospectiva aqui pra mostrar que foi-sim-legal esse ano que passou, apesar dos pesares, mas a sensação de tê-lo curtido? Não, não houve. Daí que eu passei uns humildes dias na praia pensando na vida e tomando piña colada, curtindo meu biquíni retrô e meus ombros torrados e pensando: gent, 27 anos quase, cadê aproveitar a vida?

Tá aí, decidir aproveitar.

Nesse meio tempo eu também tirei uma carta do tarô mentalizando uma pergunta profissional-acadêmica e a desgramenta me deu o que? Aproveite, minha filha. Bonanças materiais, empíricas, lúdicas, carnais, amô, riqueza, poder e luxo – com parcimônia e cautela, né, bebê, porque rica eu ainda não tou. Mas eu achei um sinal.

A Rainha de Ouros é muito sensorial e prática ao mesmo tempo. Ela lida muito bem com os valores da terra, como dinheiro, sexo, bens materiais, e usufrui deles! Ama o seu corpo e aprecia os prazeres da vida mundana. Preserva o que é seu. Possui uma ligação muito forte com as formas e com todas as coisas que se expressem através dessas formas ou do corpo. As artes plásticas, ou artesanato caseiro, a culinária, e toda a forma de nutrição, tanto física quanto empírica. Tudo o que se refere ao bem estar, e que modernamente chamamos de “qualidade vida”, é do seu mundo. Sua falta de ar a faz pouco afeita aos exercícios cerebrais. Sua falta de fogo a torna pouco impulsiva e mais prudente ao lidar com seus valores. daqui.

Cês viram, não viram? Cês leram, não leram? Então o que eu decidi? Aproveitar, meu bem. Porque eu sou a nóia da produtividade, do “eu vou fazer esse curso para ser uma profissional reconhecida em 1 ano e daqui 2 anos estar rica e bem sucedida e chefe e rica”, porque eu sou cheia de querer me meter na vida acadêmica sem nem saber por onde começar, porque eu amo estudar, mas eu preciso ver aplicação prática e profissional em tudo senão acho que tô gastando dinheiro à toa (Viram quantas vezes “rica” e “dinheiro” foi escrito nesse parágrafo? Isso não é signo não, isso é pq eu sou turca).

Agora, não é pra esperar também que eu vá investir em bronzeamento artificial e day spa com a Pugliesi, tá migas? Eu quero aproveitar mas eu sou pobre e continuo turca.

Falando sério em um único parágrafo desconstrutor de zoeiras: porque a gente foca tanto – quase que exclusivamente – na parte do trabalho, e esquece que a vida vai além disso? Hein, gente? Porque quando a amiga fala que tá fazendo curso de tricô a gente responde com risada? E quando a outra diz que quer comprar um ukulelê a gente faz um “ai que bonitiiiiiiiinho, mas quanto custa, você vai gastar dinheiro com isso?”. Gente. Vamos nos divertir. Pelo amor dos deuses. Tenho certeza que isso vai deixar o mundo mais bonito.

Tenho certeza absoluta que disso vai brotar muito mais criatividade daí do que do método que eu venho utilizando ultimamente que é: ficar olhando para a folha em branco até chorar, gritar, ficar emputecida e achar que nunca vai dar certo. Não é? Quem sabe não vira também um plano B? Ou C? Ou uma aventura pras noites de quarta-feira? Ou nada? Que importa?

NW_diving_1000

ilustração da Naomi Wilkinson, por sugestão da linda da Camis <3

Vamos tentar ser mais leves e mais coloridos e aproveitar as coisas que fazemos e fazer as coisas que gostamos. Vamos?

devagar e sempre

Eu ia dizer que era uma resolução de Ano Novo, mas daí que eu vasculhei os confins dos posts de 2015 e percebi que não: eu nunca cheguei a dizer quais foram minhas resoluções de Ano Novo. Ok, você vai dizer: até parece que você documenta tudo por aqui, né, Isadora? Mas todos sabemos que a partir do momento que está escrito aqui aquele bichinho da culpa e da autocobrança começa a funcionar melhor. Eu escrevi? Não escrevi. Talvez em 2014 – o que só torna tudo ainda mais patético. Mas, que seja.

2015 vem sendo assim, já na pegada de ~balanço geral~, retrospectiva, ou seja lá como vocês querem chamar. Tem sido um ano de muitas, muitas ideias, mas poucas realizações. Ou talvez realizações enormes, num plano mais místico assim, mas nada muito concreto. Ok, tem a coisa mais concreta de coisas, tipo uma casa. Mas teve também tudo o que ficou em standby nesse tempo todo – e ainda está – por causa dessa mudança maior.

Tipo, eu posso dizer que já estou bem perto de saber o que eu quero da vida. Lindo, né? Eu fiz algo pra conseguir isso? Nah. Tá, eu fiz em termos teóricos, mas praticamente? Pf. Só lamentação e mágoas. Não significa que eu não vá fazer, claro, até porque existe aquele outro bichinho chamado ansiedade, né? Mas efetivamente? Nada. A analogia da casa funciona bem aqui também: tá tudo arrumado, tudo no seu devido lugar, tudo lindo e pronto pra começar. E começa? Começa não.

Os exames estão aqui, feitos, e nunca devolvidos ao médico. Aliás, o oculista? Rá. Nunca veio. Preciso resolver assuntos em dois bancos. Fui em quantos? Aham. A lista de pendências vai crescendo aqui. Não só a de pendências chatas, tem também a de “objetos de decoração para comprar” e aquela de “renovação do armário”, bem como a “projetos DIY para fazer em casa”. São feitos? Uhum. Eu disse há algum tempo aí que ia me contentar a fazer ao menos um por semana, uma meta factível, nada a ser batido, dobrado, mudado… Nada, nada, nada.

E no meio disso tudo eu – depois de cancelar duas vezes, remarcar e pensar uma terceira desculpa – segurei a mão de uma dessas pessoas que aparecem na vida da gente pra dar um chacoalhão e resolvi resolver (é, é sim) a parte mais importante de todas:

bike

Devagar e sempre 🙂

facilita

não é fácil. já não é nada fácil. a gente já tem 1298 coisas diariamente lembrando a gente que não é fácil. então: não fode. não deixa acumular, não deixa chegar no limite – não deixa pra última hora. não fica remoendo a raiva, não deixa a raiva crescer, não alimenta os animais.

respira fundo.

não diz que não tem tempo, que não tem dinheiro, que é difícil de chegar. tempo a gente arruma, dinheiro a gente consegue, e tem jeito pra ir pra todo lugar. sonha. e peloamordedeus, põe o sonho no papel e vê como faz pra chegar lá. escreve, desenha, pinta, canta, dança, mas não fica parada, vendo o Netflix (mas veja o Netflix também). sai de casa. anda. não diz que não tem tempo, que não tem dinheiro, que é difícil de chegar.

para de reclamar.

reclama um pouquinho com quem sabe ouvir e chega. chega. bota a bunda pra se mexer. escreve num papel, na geladeira, no espelho, anota no celular, põe lembrete, baixa app. mas facilita. não deixa de fazer, de ser, de dizer. não-deixa-de-dizer. facilita, amiga. facilita que a vida já tá aí pra mostrar que não é fácil. a gente tem que nos dar a chance.

[lembrete diário]