não volto mais

2017-04-22 12.50.05 1

Mentira, já voltei. Mas descobri que quero morar nas montanhas e colher pinhão e comer pinhão e falar sobre pinhão. E respirar esse ar que dói o peito até acostumar e acostumar com o frio e comer pinhão.

Não volto mais, não.

diarin #8 – mddc 2017 segura a onda

Minha gente, quanto tempo, quanta coisa, minha nossa senhora de 2017. Parece que faz uns 4 anos que eu escrevi o último diarin. Março foi infinito, não foi? E agora a gente já tá em abril. Acabando a primeira semana. Eita.

Com a quantidade de feriado que esse mês vai ter – não que alguém aqui esteja reclamando! – já vimos o que vai acontecer, né? Trupicamo o dedinho do pé na beirada da cama e puf, cabô primeiro semestre. MINHA GENTE SOS.

TÔ ASSISTINI
Então, gente. Eu tô vendo Mad Men.

Muito provavelmente, até eu publicar esse texto já terei terminado. Muito provavelmente, até eu publicar esse texto estarei em posição fetal chorando de saudade de Peggy Olson. Que mulher, amigos. Que mulher. Que série, amigos. QUE SÉRIE. Eu sei que vocês haviam me avisado, eu sei que vocês tinham me sugerido, EU SEI MINHA GENTE. Desgurpa.

Eu tinha preguiça. Preguiça real oficial de ver, numa série, o que eu vivo mei que todo dia, não exatamente na minha profissão, mas nela também, mas com as pessoas ~do meu convívio. Eu tinha certeza que a bad ia bater. E bateu viu. Minhanossasenhoradadesconstrução, bateu forte. Bateu e ficou porque a cada episódio eu terminava com aquela sensação de “graças à deusa não é mais assim credo os anos 60 ah não veja bem é igualzinho ainda hoje em dia oi Zé Mayer seu escroto”. A sensação de “meu deus as pessoas morriam de trabalhar e não tinham vida e eram enganadas sobre aquilo ser bom e benéfico mas passou ah não pera oi Temer seu filho da puta”.

Bateu a bad e bateu também a saudade porque, pra além de tudo isso, que puta coisa bem construída, que roteiro, que personagens. Update: ontem eu vi o último episódio e eu tô seriamente na bad aqui em casa, minha nossa senhora, que genial e que deprimente. Que série, minha gente.

E que homem – desgurpa, deusa.

Acabei não falando aqui sobre Crazy Ex-Girlfriend, o que foi uma grande falha – da qual eu não me redimirei HEHE. Então deixo o texto da Anna Vitória, no Valkirias, que com certeza é o texto mais completo e maravilhoso que vocês poderiam ler sobre essa série absolutamente maravilhosa.

TÔ LENI
Vou fingir que não entrei em um novo hiato pois tenho medo do que pode acontecer. Vou dizer apenas que terminei o famigerado o O Conto da Aia, da Margaret Atwood, e é muito maravilhoso/ assustador sim, leiam. Leiam muito, até porque vai ter uma série no Hulu – streaming que não tem no Brasil mas que a gente pirateia – que mais parece uma fanfic que eu criei na minha cabeça com Peggy Olson, Rory Gilmore e Pussey como personagens principais. Estamos ansiosas? Estamos.

Eu também li o Outros jeitos de usar a boca (ela só fala ou também beijaaaaaaaaa e essa boca aíiii? DESGURPA) da Rupi Kaur, que é uma porrada dessas de fazer a gente pensar em tatuar coisas e também sobre que catzo que eu não leio mais poesia.

TÔ FAZENI
Vamos por partes. Teve o carnaval que foi e bom e foi ruim, e eu fiquei doente, minando completamente a minha empolgação anual de um final de semana regado à catuaba. Claro que teve o pré-carnaval, que foi e sempre é ainda mais legal que o carnaval real oficial, e foi realmente muito bacana divertido socorro dor nas pernas ai que ressaca mim segura meu amor. Teve, teve sim. Teve fantasia legal, teve sair na rua só de maiô ainda não entendir como foi possível, teve muitos amigos e muita diversão. Mas acho que o espírito carnavalesco acabou sendo minado tanto pela Bad Real Oficial Geral Panorama Mundial quanto pela Bad Pisciana Interna 2017. Aquela, que você não sabe descrever, aquela, que você não se sente encaixada, aquela, que você deixa as pessoas, sempre elas, te afetarem com o individualismo, o egoísmo, a falta de noção de sempre. Aquela, que você fala “então foda-se todo mundo eu não quero mais saber de ninguém” – e sofre até hoje por eles.

Daí teve o meu aniversário. Lembra dele? Bom, a bad seguiu firmemente agarrada no menino aniversário, participando, basicamente, dos mesmos pontos de atrito: ninguém me ama, ninguém me quer, vou chorar na cama, foda-se todo mundo. É mentira. É um esforço monumental pra mim perceber que muita gente me ama me quer se importa SIM, esforço ainda maior valorizar essas pessoas. Mas eu tô no caminho. A dificuldade maior foi enfrentar o sentimento de ESSE PRECISA SER O MELHOR DIA DO MEU ANO e, bom. Cês imaginam a expectativa X realidade, né? A bad, ela não deixa a gente ver as coisas como elas foram de verdade. Teve um karaokê divertidíssimo com pessoas incríveis que estão sempre comigo. Teve A Bela e a Fera, meu deus, teve A Bela e a Fera. Teve minha casa com os amores da minha vida. Teve comida gostosa. Teve um tempinho de merda que me deixou cinza cinza cinza. Mas foi e foi bom. Eu queria ter viajado e sumido do mundo até ele passar? Queria. Eu fiz isso? Não fiz. Eu tô chateada e vou arrastar isso até ano que vem até eu esquecer disso e ficar em cima da hora e não conseguir de novo e a bad bater. Vou.

E teve a vida. Essas fases em que tudo-acontece-sempre-e-todo-final-de-semana-tem-coisa são sempre seguidos de momentos de descanso e calmaria, e eu estou aprendendo a valorizar estes – talvez, mais do que os outros. Eles são maravilhosos. Ficar em casa, arrumar a casa, cozinhar, sair pra comprar uma flor ou uma planta, ver um filme, brincar com os gatos. Só de falar já esquenta o coração. Só de falar mal posso esperar o próximo final de semana!

OS TOMBO QUE EU TÔ LEVANI
A crise do “o que eu quero fazer da minha vida?” nunca passa, né? Quando você acha que ela deu uma estabilizada, acontece alguma coisa, aparece alguém, muda alguma coisa, ou simplesmente, nada muda, e aí ela volta e você fala: são 9, 10 horas do meu dia, e pra quê? Ao mesmo tempo, é difícil conseguir organizar as coisas fora dali, o tempo parece cada vez mais curto, a energia cada vez menor. Fora que a gente vai morrer trabalhando e, muito provavelmente, sem férias e sem VR, né, mores? Essa bad, ela sempre volta.

Minha alergia continua aqui, viu, firme e forte. Tá uma delícia. Eu só quero arrancar membros do meu corpo ocasionalmente, só.

OS PULO QUE EU TÔ DANI
Eu vou lhes dizer, amiguinhos, que finalmente eu tô entrando numa rotina que ~cuidar de mim~ está devidamente representada. Não é como se eu parasse diariamente para fazer tratamentos de beleza, longe disso, mas certamente fazer atividades físicas regulares (sim!), algumas menos, outras mais divertidas, e prestar atenção em certos cuidados, tipo, um creminho, um protetor solar, uma máscara de argila, têm surtido algum (mínimo, por enquanto) efeito e me deixado um pouco menos cabreira comigo mesma. Na verdade, é mais sobre a sensação de estar se cuidado do que com o resultado desse cuidado em si, é realmente uma coisa que eu faço por mim – com os meus dinheirinhos, com a minha falta de sono, com o meu mau humor matinal, mas é por mim e pra mim, então é legal. Bem legal. Recomendo.

Não me sinto nada assim, mas tinha que terminar esse post com esse gif, te amo Peggy sdds.