• do coração

    olar

    Alor. Um ano que não venho aqui. Mentira, mas quase. Mentira, foram 3 meses, mas se tem uma coisa que parece que esse segundo semestre de 2018 teve foi mesmo um ano de duração. Uma vida inteira. E tudo continua bem parecido, exceto que a gente tem vivido a vida…

  • do coração

    é como o luto…

    … você nunca perdeu ninguém? Luto é assim: a gente às vezes acha que passou. Aquela dor pungente, aquela que é física, que paralisa a gente e é absolutamente incontrolável. Às vezes a gente acha que passou. A gente acorda com o coração leve, liga o fogo pra fazer café,…

  • luquinhos

    minha análise de coloração pessoal

    É tudo muito doido porque acontece tudo nesse plano lhouco da internet e, quando você vê, já rolou. Que frase sem sentido. Mas em termos rápidos, foi assim: uma moça bonita me mandou uma mensagem bonita no instagram, a gente conversou, deu match, eu me apaixonei pelo estilo hiper criativo…

  • do coração

    registro de um bom final de semana

    Esse final de semana eu descansei e acordei cedo e me senti finalmente recuperada de um revés que me tirou umas 2 semanas. Eu escrevi aqui no blog, programei newsletter, resolvi todas as pendências e coloquei um projeto muito especial no ar, finalmente. Eu cuidei da minha casa, das minhas…

  • do coração

    uma pausa

    Não daqui, ou talvez até seja. A questão é justamente entender do que seria necessário se afastar. É natural que a medida que as coisas vão mudando e acontecendo a gente tenha que se adaptar e eu imaginei mesmo que uma hora ou outra as coisas dessem uma pesada –…

  • viaja isa

    bate e volta em Paraty

    Falar de “bate e volta” em uma cidade em outro estado parece loucura (e um tanto #classemediasofre né), mas acabou que foi isso mesmo: rapidinha e diferente, essa viagem à Paraty surgiu assim, do nada, foi fechada assim, do nada, e teve um monte de não-programação que normalmente me tiraria…

  • do coração

    não esmorecer

    Eita que tá difícil. Eita que é tombo atrás de tombo. Porrada atrás de porrada. Das menores, das dores diárias e compartilhadas, das notícias ruins dos amigos que chegam até você já diminuídas, já passadas, ainda doloridas; daquela sensação de querer conseguir ajudar mais que um abraço, uma palavra, um…

  • do coração

    de plástico não morrem

    Ontem eu encontrei amigas depois do trabalho. No almoço, aproveitei o café com uma outra amiga – veja que dia bom! – e comprei flores. Uns 3, 4 raminhos de flores para levar pra cada uma delas. Pensei nas cores: eram uns pompons verdes bem vivos, margaridinhas roxas e gérberas…